La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / JÁ QUE NÃO TEM JEITO... (CRÔNICA)

 Imprimir  Recomendar
  [C:336028]

Quando a Sra. Morte chegar,
Com a sua cara feia, de fazer morrer,
Quero está de bem comigo
E com os demais quero está em plena paz.

Quero se possível, que seja num dia ensolarado!
Que me faça lembrar dos meus tempos de infância.
Se por acaso for num dia chuvoso, quero não me importar,
Visto que quando criança na chuva eu também gostava de brincar.

Se for de noite, que seja numa daquelas noites lindas de luar.
Caso seja no alvorecer não quero me entristecer quando o primeiro pássaro cantar.
De madrugada, é muito frio, deixa qualquer um sem vontade de ir.
Na hora da Ave-Maria, talvez seja aí a melhor hora para deixar tudo isso aqui.

Não gostaria de morrer de morte matada, lá isso, não!

Juro que meus ossos mortinhos, ainda assim, se contorceriam na catacumba no dia dos mortos. Nem dá pra parar e pensar numa coisa, dessa! E ainda pior de tudo será ter um dedão de unha grande e desconhecido apontando a minha lapide rosada:
ó, aqui, àquela que não morreu de morte morrida!.

É rosada, e daí!

Morte, matada, parece sentença pra ladrão!
E, eu nunca roubei, nem beijo de namorado ou se quer beijinho de festa infantil.
Morte matada, que idéia, Deus meu, isso não!
E por favor, inclua aí: os atropelamentos, as balas perdidas;
As mortes encomendadas, e por engano eu, euzinha, ali, na mira do matador!

Isso rima com dor!

Não gostaria que também fosse, assim de dolorida, a minha morte.
Tampouco quero que seja um espetáculo.
A pesar de já ter sofrido tantas dores não são necessárias às pompas.
Acho que na realidade, igual a um montão de gente, me assombra essa coisa, morrer.

Mas, já que é a única e inegável certeza da vida...

Então, que nesse dia esse bicho-papão deixe sua capa _, que dizem ser negra como nada jamais visto _, lá num canto da imensidão.
Quando vir me buscar que maquile sua feia cara, que causa risco de morte e se vista de cores, como um arco-íris, para eu não morrer, assim, de um simples susto.

Que me envolva, como um excelente, licor.
Fazendo-me recordar as lindas histórias de fadas, os melhores contos e causos e que cante pra mim canções de dormir.
Assim como anestesiada para vida, quando eu baixar a guarda, e deixar de lado o medo de morrer, que me fascine ela, a morte, me encantando, como os bons anjos me encantam e me levam a desdobramentos varios.

E que Deus de mim neste momento tenha compaixão!
Permitindo-me na ocasião envolver-me nas minhas mais belas lembranças: minha primeira paixão, meu primeiro amor; meus primeiros versos; meu primeiro compreender... Aquecido meu espírito por tais recordar, possa sem tristezas, magoas e medos deixar as amarras corpóreas e em outras paragens pousar.

Já que não tem jeito...
Dona Morte,
Vê se dá um jeito de me levar num instante oportuno:
Nem alegre, nem triste.
Não tão cedo, porém, que não seja demasiado tarde.
Na verdade, me dá arrepios essa historia de morrer!

Mas, já que não tem jeito.
Nesse dia, o seja, o dia da minha morte, quer seja noite ou dia!
Que eu esteja de bem comigo, sem tristeza, magoas ou medo de morrer.
E com os demais, na mais plena paz - a quem deixo toda minha gratidão.

Graças que, tão certo quanto à morte e o ditado que diz que:
Vaso ruim demora pra quebrar!
Assim, senhora Dona Morte, vê se aproveita essa de globalização,
E vai por aí, quem sabe...
Dizem que noutras bandas se encontra cada raridade!
Se eu fosse a Senhora eu mesma ia checar.
Eu lhe garanto que não saio daqui. Tranqüila, pode ir.
Ó carece pressa não tá!

Texto agregado el 07-02-2008, y leído por 200 visitantes. (0 votos)


Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]