La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / O CHEIRO DA MORTE. (Prosa Poética)

 Imprimir  Recomendar
  [C:365803]

Se o branco fosse cheiro e não cor.
A morte por certo teria o cheiro da brancura dos jalecos de enfermeiros e dos doutores céleres, urgentes, buscando a vida nos corredores encharcado de gentes, nas emergências.

Se não é branco o cheiro da morte!
Por que, então, cambiaram o branco das paredes hospitalares, por outra cor?

Azul, não é!
Porquanto o céu fica negro aos olhos daquele de ver o ser amado partir aninhado nos braços da morte.

Verde é a assim idealizada a esperança, todavia, na expectativa do fim o verde trás consigo algo do olor da aproximação do termo, que se exala pelo icor.

Rubro é a cor da vida navegando, corrente, pelas artérias.
E enquanto o sangue girar nas veias vermelho vivo, será assim a vida –Deixando espargir de si o perfume de suas ações.
Todavia é esse, vermelho vida, que, também, traduz em odor o perfume da dor.

Por conseguinte não teria, tu morte, ao subtrair o ente querido, outro aroma, senão o cheiro rubro e negro que, somente se faz sentir pelo destilar da tristeza, exalando-se lágrima a lágrima, na tão sentida hora da partida, particular ao que ama e aqui fica sob os efeitos dessa emanação.

Assim definindo-se o teu perfume em cor.
O teu cheiro morte, é Rubro-negro!

Texto agregado el 12-08-2008, y leído por 147 visitantes. (1 voto)


Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]