La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / CAFÉ AO SABOR DO SOL. (PROSA POÉTICA)

 Imprimir  Recomendar
  [C:439815]

Majestoso e cálido no máximo de luz vens te exteriorizando por entre nuvens rompendo o negro da noite, instaurando o dia.

Do meu terreiro, espreito-te!

Entre meus dedos uma caneca de fumegante café com o seu cheiro a se exalar pelos ares a confundir-se com o aroma do quintal.

Assento-me, e sigo te espiando!

Enquanto te entranhas por entre as folhas que farfalham, radioso a fazer vibrar os recônditos orvalhados. Ludicamente vás despertando a vida.

Busco para junto de mim o bule, sirvo-me de mais café, observando os vapores que emergem da caneca rumo às nuvens. Trago a mescla de perfume que dulcifica o tempo, e que se mistura com os raios do sol, confundindo-me, juntamente com a cafeína, os meus sentidos. Um arrepio me faz encolher, e meus lábios se inclinam sorvendo mais um gole do forte café, que se faz agora mais temperado.

Deixo-me a tua companhia, espetacular!

Admirando-te o perpassar entre as arvores, bananeiras e jardins, fazendo luzir minhas roseiras e azaléias, esculpindo para mim, a imagem de minha saudade, trazendo-me, de volta as lembranças do ontem...

Um misto de calor e frio percorre-me o corpo, meus lábios, autômatos, se entreabrem e se impregnam de doce quentura, ao tempo que e àquele sabor, num tato familiar, enche minha boca, extasiando-me.

A caneca me cai das mãos, se esmigalhando ao solo, rompendo de todo o que me era maravilhoso!

De resto uma lágrima me corre pela face rubra, pelo acariciar do sol, cheirando a café!

Não obstante, me desperta para vida, a voz de um rouxinol, que retira do brilho de cada amanhecer o colorido das rimas do seu canto.

Em recolhidos os cacos, entre um gole e outro de café ao sabor do sol, o dispersar de muitas lembranças e o degustar de outras perspectivas em acolhimento as novas expressões da vida.

Texto agregado el 19-01-2010, y leído por 103 visitantes. (2 votos)


Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]